sábado, 14 de setembro de 2013

Dia 180 - Com o apoio da família é mais fácil

Eu vivo com marido e duas filhas, nossas despesas domésticas são compartilhadas assim como nossa conta bancária. Todos os recursos financeiros creditados são do casal e também da família, não existe divisão e nem proporção, somente somatório. Acho que cada casal e família tem suas particularidades e sua forma de administração financeira. No nosso caso, tem funcionado bem assim, com algumas regras e também com conversas diárias.

O marido é controlado e não costuma fazer gastos fora do previsto. Gosta de planilhas e é conservador em termos de investimentos. Eu não era controlada, comprava de forma emocional,  sem planejamento, investimento ou poupança não estavam nos meus planos, a planilha eu usava uma vez por mês e depois esquecia dela. Passei muitos anos ouvindo o marido falar que essa não era uma boa maneira de lidar com o dinheiro.

E como eu cai na real? Não foi nada romântico e nem muito menos um momento de iluminação. Foi a necessidade de controlar a conta bancária da família que me fez perceber que eu estava fazendo escolhas ruins e que as minhas escolhas estavam impactando na qualidade de vida de toda a família.

Até então, o marido administrava os recursos da família, mas por conta de outros compromissos que assumimos, ele passou este encargo para mim. Num primeiro momento eu fiquei assustada com a responsabilidade, por outro lado, eu vi a situação como um desafio. Foi uma ótima oportunidade de aprendizado e crescimento pessoal. Também foi um tratamento de choque que o marido me ofereceu, e sou grata por isso.

Aos poucos fui tomando pé da nossa situação financeira,  e eu vi que gastos com compras pessoais não poderiam ser prioridade, diante de contas de água, luz, telefone, internet, condomínio, escola e mesada das filhas, plano de saúde, roupas e calçados para toda família, diarista, alimentação, diversão e férias. Tudo isso para ser pago com nossos salários suados. Até acho que gastos com compras pessoais podem entrar no orçamento doméstico, desde que limitado e que isso seja respeitado.

De cara, eu comecei a diminuir os gastos pessoais.  Passei a ler sobre finanças e controle pessoal. Levei cerca de seis meses amadurecendo a ideia para começar a evitar o consumo desnecessário e aplicar o Minimalismo na minha vida. No início, eu fiquei insegura e não sabia se levaria adiante. Quando eu vi que era para valer, eu contei para o marido, que me apoiou na hora. Por isso, eu digo que com o apoio da família é mais fácil.

apoio da família
imagem da internet

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se mantenha no fluxo e tudo será como é

Há algum tempo, ando lidando com situações imprevisíveis, não tenho garantias de resultados positivos e preciso lidar com  os riscos e as su...