segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Dia 237 e 238 - Aprendendo a respeitar as escolhas alheias

Tenho ficado atenta a minha capacidade de observar as pessoas. Quando conheço uma pessoa e convivo com ela por algum tempo, eu gosto de acompanhar o seu caminhar. Eu me ponho a observar às fases que ela vive e as escolhas que faz. Eu aprendo bastante com isso. Aprendo a seguir o exemplo quando são escolhas boas, assim como aprendo o que não fazer, quando vejo que a pessoa se enveredou por caminhos ruins.

Creio que observar e aprender com as observações é algo bom. Às vezes me pego pensando e até falo quando possível: "poxa, porque não faz diferente, não está vendo que vai ser ruim!"

Quando é alguém distante, creio que é mais fácil se desapegar e apenas observar. Já quando se trata de uma pessoa próxima e que se ama, aí muda de figura, não é?

Tem coisa que dói mais do que ver uma pessoa que você ama fazendo escolhas ruins e sofrendo na vida? Bem, não sei como é para você, mas em mim dói demais!

Ando aprendendo um pouco sobre como encarar estas situações de forma diferente, para evitar sofrimento e apego.

Acredito que todos nós temos um Caminho a seguir aqui na Terra, com propósito de vida e aprendizados a fazer. Acho que realmente as escolhas trazem o conhecimento da experiência para que no futuro, as coisas possam ser diferentes e quem sabe melhores!

E depois quem sou eu para saber sobre os desafios alheios, sobre as escolhas alheias e o sobre o que elas vieram fazer e aprender aqui na Terra, não é?

Depois que escrevi tudo isso, fiquei refletindo, e percebi que casa bem com a descrição do Floral de Bach que estou usando atualmente:

Chestnut Bud 
Esta essência está relacionada com a capacidade da alma para a aprendizagem e a concretização. Pertence ao grupo da INDIFERENÇA PARA O PRESENTE e o Dr. Bach recomenda-a «para quem não retira amplo proveito da observação e da experiência. E que tardam mais tempo que os outros em aprender as lições de vida diária. Enquanto uma só experiência seria suficiente para alguns, estas pessoas necessitam de ter mais, as vezes várias, antes de aprender a lição. Por tanto, com muito pesar seu, encontram-se cometendo o mesmo erro em diferentes ocasiões, quando com uma só vez deveria ter sido suficiente, ou também quando a observação de outras deveria ter podido evitar inclusivamente esse primeiro erro». Com a flor, o indivíduo aprende lentamente mas com a segurança de observar as coisas sem pressões, com tranquilidade. Aprende a extrair o melhor das experiências diárias.

caminhos alternativas
imagem da internet

2 comentários:

Você tem fome de quê?

Tempos atrás eu fiz uma reflexão bem interesse sobre a possível causa do consumo por impulso e sem motivo. Da reflexão nasceu o texto   O ac...