sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Dia 255 - Revisado Espiritualidade e Minimalismo

Interessante como no começo, eu pensava que minimalismo era uma escola ou estilo artístico.

Depois, eu percebi que é um estilo de vida e que muitas pessoas vivem sua busca por uma vida simples.

Eu tenho praticado o minimalismo e, para mim, tem sido uma nova filosofia de vida, bem diversa da forma de vida que eu levava antes de conhecê-lo.

Eu me desfiz de bens materiais, sentimentos, pensamentos e atitudes. Esse desfazer-me é diário e tem me feito bem.

Sinto-me leve e ao mesmo tempo, percebo espaços que podem ser preenchidos por algo novo. No meu caso sinto falta de uma vida espiritual.

Eu nasci dentro de uma família católica praticante. Eu fui batizada e estudei em colégio de padres, participando de aulas de religião, na época em que as aulas eram em forma de catequese. Fiz minha primeira comunhão, e segui frequentando a Igreja eventualmente. Casei na Igreja também, embora naquela época, nos meus 19 anos já andava meio rebelde em termos espirituais. Enfim, segui como católica não praticante.

Só uma observação, hoje as escolas de padres ou freiras falam um pouco das diversas religiões para as crianças, sem direcionar para uma religião específica.

Retomando, eu disse que sinto falta de uma vida espiritual. Depois da minha rebeldia com a Religião Católica, eu estudei e pratiquei outras religiões e filosofias de vida, sempre em busca desse conforto espiritual. Eu queria encontrar respostas para questões existenciais e gostaria de encontrar uma Religião que fizesse sentido para mim e que eu me sentisse bem praticando.

Bem nessa busca encontrei pontos com os quais concordo e pontos com os quais discordo nas diversas religiões que conheci. Tenho certa ressalva quanto à instituição religião. Acho que instituição é algo diferente dos princípios religiosos ou espirituais de uma religião, seja ela qual fora. Eu percebi que as instituições são criadas e administradas por seres humanos, e como não somos perfeitos, as instituições também tem seus problemas.

Penso que a religião ou religiosidade ou espiritualidade é vivida de forma pessoal e interior. Eu possuo minhas crenças e rituais e, vejo que não posso esquecer de cuidar desta parte de mim.

Andei revisitando a minha religião de origem, a Católica. Gostei de ir à missa, meu coração precisava de conforto naquele momento. Porém, ainda assim sigo com sérios questionamentos e dúvidas sobre toda a ostentação da Igreja Católica. Porque gastam tanto dinheiro no Vaticano, por exemplo?  E porque as mulheres não têm espaço na Igreja Católica? Porque a Igreja comandou a Inquisição e matou tantas mulheres para confiscarem suas heranças? Porque criaram a ideia de pecado e implantaram a culpa na cabeça das pessoas? Enfim... eu respeito as escolhas das pessoas. E acho que cada um busca o que faz bem, traz conforto e faz sentido para si.

No meu caso, essa reaproximação serviu para eu me lembrar dos meus questionamentos. E, enfim... estou retomando minhas antigas práticas espirituais.

fonte na imagem

5 comentários:

  1. Curioso como eu nunca sequer pensei no minimalismo ligado à religião, mas cada vez mais o associo a pensamentos e sentimentos simples, crenças leves e profundas no ser, e um espiritualismo muito próprio e pessoal que não se compara a qualquer igreja (ou instituição).
    Tal como você fui educada como católica praticante (tudo que você possa pensar incluido), incluindo participar de missa ao domingo e a seguir ir para casa e ter que assistir à missa em direto da televisão, fosse no domingo ou na noite de natal. Enfim, criei um sentimento negativo em relação à obrigação e todos os problemas que se criaram pelo exagero na imposição.
    Tal como você acabei por seguir católica não praticante e hoje em dia cada vez mais me oriento pelo que eu sinto, incluindo minhas crenças e meu desejo para com o meu bem estar espiritual.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uhum entendo, também passei por essa fase de ir à Igreja por obrigação e imposição da minha família e com isso acabei me afastando um pouco.
      Hoje vivo a espiritualidade de forma pessoal e íntima, mas de uns tempos para cá estou sentido a necessidade de frequentar templos e estou trilhando um caminho para isso.

      Excluir
  2. Andreia, parece que eu to lendo algo que eu mesma escrevi, pois vivi exatamente isso. Pensava que o minimalismo era algo ligado apenas à arte em geral e quando descobri mais sobre esse estilo de vida, me identifiquei muito.

    Em relação à religião, eu fiquei um bom tempo sem nem ir à igreja. Sempre fui católica, mas muitas vezes ia mais por obrigação à missa, por exemplo. Depois de ter passado alguns problemas, decidi voltar a frequentar a igreja e conheci um grupo da renovação carismática. Me identifiquei muito com a maneira que eles vivem a fé, que é algo mais espontâneo e parece que a gente sente de fato, a presença de Deus, nos encontros que realizamos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou sentindo vontade de retornar aos templos, sabe Bruna. Preciso desse conforto espiritual, acho que faz parte do ser humano que sou, e cuidar da parte espiritual é buscar a plenitude também. Estou trilhando caminhos para isso. Nunca fui a um encontro de renovação carismática, muito bom saber que há um movimento assim dentro da Igreja Católica.

      Excluir
  3. Andreia, eu também tenho um vazio esperando por ser preenchido. Na verdade, um pedaço bom dele eu preenchi com espiritualidade e isso me fez muito bem e mudou muito a minha forma de ver as coisas. Sou espirita kardecista, mas antes só flertava com a doutrina espírita. Mas ainda tem espaço.... e eu quero fazer alguma coisa que tenha impacto social, provavelmente participar de algum grupo que faça serviço voluntário ou ações voltadas para a comunidade. Acho qur toda minha trajetória com vida simples e minimalismo aponta para mudanças pessoais muito profundas, então eu consigo te entender facilmente.

    ResponderExcluir

Fazendo bom uso da tecnologia disponível, fugindo do sonho virtual

A tecnologia é algo que parece fazer parte da vida da maioria das pessoas. É comum o uso de computadores, tablets e smartphones nas ativid...