sábado, 30 de novembro de 2013

Dia 256 - As pequenas mortes que vivemos todos os dias

Depois de escrever sobre uma mudança que estou vivendo, aqui neste post e depois de ler o comentário da Maria Ziom que diz assim:

Gostaria, por último, de lhe dizer ainda que ao longo da vida temos de viver pequenas mortes. São as 'idades de passagem' de que também falo lá no meu blogue. São períodos muito difíceis, para os quais nos devemos preparar. Mas, quando renascemos, somos pessoas melhores, mas felizes e seguras, libertas das «culpas» de que não fomos conscientemente responsáveis, e das tristezas que parecem não ter fim. Para uma bailarina, deve também ser mais fácil: dançar é um dom, uma forma de conexão com as pulsões interiores e de exercício da criatividade. 



Fui buscar na minha memória e sim, estou vivendo várias pequenas mortes ou "idades de passagem" este ano.

Está sendo dolorido, porém tenho certeza que estou renascendo mais feliz e segura e me livrando das culpas que eu pensava ter.

Segundo Mirella Faur, "existe também uma expressão francesa chamada “Rites de Passage” adotada por antropólogos e escritores europeus para definir todos os rituais e cerimônias que propiciam a passagem de uma pessoa para uma nova forma de vida ou um novo status social. Segundo o escritor Arnold van Gennep, os ritos de passagem são cerimônias que existiram e existem em todas as culturas, antigas ou contemporâneas, primitivas ou urbanas, acompanhando cada mudança de idade, de lugar, de estado ou de posição social. Infelizmente, nas sociedades modernas estas celebrações foram sendo reduzidas - algumas delas mesmo ignoradas - e outras deturpadas. Vivemos nossas vidas, do berço até o túmulo, com apenas algumas poucas cerimônias marcando nossas transições, como batizado, casamento e enterro".

Creio que ao acordar e enxergar a vida de frente faz desse momento da minha vida um rito de passagem.



3 comentários:

  1. Tenho a certeza que todos temos fases completas de mudanças substanciais para a nossa vida. Essas mudanças trazem novidade e alguma "reciclagem". Estarei torcendo por você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Sim faz parte do processo mesmo. E se buscamos novidades para vida, elas vem e mudam o que é preciso, não é?

      Excluir
    2. Claro que sim! Na maior parte das vezes não precisamos de "as buscar". Elas estão lá, surgem nos momentos certos, basta estarmos atentos a tudo que se está passando!

      Excluir

Lidando com sentimentos de perda

Tenho lidado com sentimentos intensos e profundos, ultimamente. Uma sensação de perda enorme. De que está faltando uma pessoa muito importan...