sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Dia 327, 328, 329, 330, 331 e 332 - Saúde e Minimalismo

Acompanhei um familiar ao hospital, onde ele foi submetido a uma cirurgia. Foi algum simples, tudo correu bem e ele está em plena recuperação.

No dia da cirurgia chegamos ao hospital no horário solicitado, fizemos o cadastro e aguardamos até que um apartamento fosse liberado. Em pouco tempo, fomos chamados para ir direto ao corredor do Centro Cirúrgico, e aguardar ali a chamada para a sala de cirurgia.

Avistei no final do corredor uma porta grande onde estava escrito: UTI. Essas coisas de hospital me assustam um pouco. Porém, eu estava disposta a observar e a aprender algo com o tempo que ficaria no hospital acompanhando o familiar. 

Naquele dia, quando saímos de casa já sabíamos que era o dia da espera, e que seria necessário ter muita paciência. E assim foi. Ele foi chamado para entrar ao centro cirúrgico.

Eu passei exatas 4 horas sentada ali, ao lado da porta do centro cirúrgico. Eu não estava sozinha, outras pessoas também esperavam seus familiares, éramos os acompanhantes.

Vi muitas pessoas entrando nas salas de cirurgia, pessoas saindo, médicos e enfermeiras passando. Visitantes chegando.

Fiquei observando o movimento e prestando atenção aos rostos das pessoas que passavam. Foi uma experiência interessante!

Algo me deixou pensativa. Vi uma senhorinha de cabelos brancos, sendo levada na maca, de forma rápida para a UTI. Seus familiares a acompanharam até a entrada da porta grande. Todos com semblantes preocupados e tristes. Eu fiquei me perguntando, o que aconteceu com a ela? Será que ela sairia de lá? No dia seguinte, quando eu saía do hospital, vi seus familiares esperando o horário de visitas.

Por outro lado, eu vi um senhor saindo da UTI, numa cadeira de rodas, todo feliz conversando com as enfermeiras e seus familiares. Todos animados, dizendo que ele ia para o quarto e logo, se recuperaria. Ele dizia, quero ir para casa!

Vi médicos passando em direção à UTI, entrando e saindo com semblantes ora preocupados, ora tristes, ora incógnitos.

Todo um movimento de vida e morte. De saúde e doença. Saí de lá certa de que a saúde é talvez o que há de mais importante na vida! Com ela podemos fazer o restante!

Crédito da imagem wallpapersus.com

Um comentário:

  1. Linda a descrição! Estou passando por situação idêntica, tenho um familiar no hospital devido a cirurgia de um tumor. Amanhã tou indo lá buscar a esposa. Eu já costumo evitar hospitais. Sinceramente sou grata por não ter que passar mais tempo em hospitais!

    ResponderExcluir

Se mantenha no fluxo e tudo será como é

Há algum tempo, ando lidando com situações imprevisíveis, não tenho garantias de resultados positivos e preciso lidar com  os riscos e as su...