quarta-feira, 22 de abril de 2015

As voltas que a vida dá!

Esses dias estive revendo meus arquivos fotográficos da época em que fiz Ballet Clássico e Dança do Ventre. E essa revisão, me fez voltar no tempo e pensar muito a respeito.

Já escrevi algumas vezes sobre meu Amor pela Dança e de como eu me sinto bem, feliz e satisfeita quando danço ou quando dou aulas de dança. Um momento especial da minha vida como bailarina está registrado aqui no blog, texto: Nasceu uma dançarina.


E o que a dança tem haver com o assunto do blog? Tudo haver! Porque ao refletir sobre a minha vida atual e sobre meus sonhos, cheguei à conclusão que dançar, ser bailarina e professora de dança era meu sonho de criança, adolescente e adulta.

Crédito da imagem: internet



Daí eu me pergunto, o que eu fiz com o meu sonho? Na época, com 16 ou 17 anos, eu não acreditei em mim, ouvi o que me aconselharam e acabei por abandoná-lo. Acreditei que a dança seria apenas um hobby, no futuro, e que não existia a possibilidade de me tornar uma bailarina profissional. E que se assim fosse, eu não conseguiria uma remuneração digna para me sustentar.

Tendo em vista este pensamento, escolhi um Caminho bem diferente. Eu me graduei em Processamento de Dados, estudei as máquinas e os códigos. Lugar distante do Mundo das Artes. Alguma afinidade talvez com o mundo das ideias, do raciocínio e da criatividade. Porém em outro nível. No meio do curso, obviamente, descobri que não gostava daquilo, porém, a necessidade me fez terminar, pois eu precisava de emprego.

Confesso que passei muitos anos afastada da Dança, em especial, na época do vestibular e faculdade. E durante esse tempo, eu sentia muita falta. E entristeci por isso.

Depois que acabei a faculdade e comecei a trabalhar, resolvi me reaproximar. Comecei a fazer ballet moderno, depois veio flamenco e por fim, dança do ventre e danças circulares.

Quando comecei a me dedicar à dança do ventre e folclore árabe, eu fiz um mergulho na cultura, quis me aprofundar e estudar muito. A dança foi ocupando espaço na minha vida de tal forma que eu respirava música e dança, passei a dar aulas para um grupo de mulheres, e foi um tempo muito, muito, muito, muito bom! Foram 7 anos de muita dança e felicidade! O dinheiro que eu ganhava, eu reinvestia na própria dança, com aluguel do espaço para aulas, cursos, cds, dvds, trajes e acessórios.


E a vida deu outra reviravolta! Eu me afastei de novo da dança! E passei por mais uma fase triste. Eu sentia falta de algo, aqui bem no coração, e eu não sabia o que era. Até que um dia eu me permiti desfrutar da dança e me entregar a ela. Finalmente eu descobri do que sentia falta. A Dança.

Estou de volta desde 2011. Após idas e vindas, vejo que eu preciso dançar. Eu preciso da Dança. A Dança me traz felicidade, paz e equilíbrio. A felicidade, a paz e o equilíbrio que eu preciso para funcionar bem nas outras áreas da minha vida!



Sabe porque falo da minha história na Dança aqui? É que muitas vezes gostamos muito de algo e abrimos mão disso por vários motivos. Às vezes, não acreditamos na nossa capacidade de realizar, às vezes não é possível continuar naquele momento, às vezes damos prioridade a outras necessidades, como família e filhos, e muitas outras vezes esquecemos de nós mesmos. Esquecemos do que gostamos de fazer. É muito bom e necessário se divertir, relaxar e se comunicar com outras pessoas. Pode ser que um sonho não se transforme necessariamente em uma profissão e seu sustento. Pode ser que esse sonho seja um momento de felicidade, paz e equilíbrio na sua vida!

Muito obrigada pela leitura!

Abraços,

Andreia Rodrigues

3 comentários:

  1. Adorei seu texto. É bem parecido com a minha história com o canto. Me identifiquei muito com ele. Beijos, amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga obrigada por me visitar aqui no blog. O bom de trocar experiências é que acabamos descobrindo mais afinidades, não é mesmo? beijos

      Excluir
  2. Andreia, que legal a sua história! Que você possa estar sempre em contato daquilo que te faz bem. A arte, a dança, é a nossa essência se aflorando, nossa energia interior tomando forma e movimento!

    Beijos!

    ResponderExcluir

Você tem fome de quê?

Tempos atrás eu fiz uma reflexão bem interesse sobre a possível causa do consumo por impulso e sem motivo. Da reflexão nasceu o texto   O ac...