quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

A importância de fazer amizades

Eu venho me dedicando aos relacionamentos familiares e de amizade há algum tempo. Andei refletindo sobre o tema e descobri algumas coisas.


Crédito da imagem: celebrateevents



Honestamente, quando conheço uma pessoa, num primeiro momento, eu a observo muito bem, afim de perceber o seu jeito, seus gostos e seus valores. Ao final do encontro tenho o meu veredito sobre o coitado do recém conhecido. Às vezes positivo, outras vezes negativo. Por alguns sinais que não sei explicar, talvez o livro Blink explique, percebo se trata de uma pessoa boa e honesta, se possuímos interesses em comum e se ela está disposta a fazer uma amizade e se dedicar a ela. Com o tempo e a convivência, eu vou conhecendo mais o candidato a amigo e vejo se a "primeira impressão" era verdadeira. Acertei algumas vezes. Tive boas surpresas em outras. E sinto que me poupei de chateações, também.

Interessante é que as pessoas lidam com as amizades de maneira diferente. Admiro uma pessoa bem próxima a mim que faz amizade com todos do seu convívio - trabalho, faculdade, cursos, clube, atividades paralelas, condomínio, família, e tudo o mais que ela possa frequentar. Dificilmente vejo essa pessoa falando mal dos outros ou se chateando por algo que um colega fez. Observo que existe o amigo para ir em casa, o amigo para ir pro clube, o amigo para ir no parque, o amigo para tomar chop, o amigo para ir lanchar, o amigo para ir no cinema, o amigo para conversar sobre assuntos aleatórios e o amigo para conversar sobre assuntos sérios e pessoais.  

Parece que existe uma liberdade nessas amizades. Todos são ocupados. Procuram se encontrar na medida do tempo que cada um dispõe. Quando dá certo é uma alegria. Quando não dá, tudo bem. Está tudo certo. As oportunidades são refeitas. É bonito, livre e sem neuras. Admiro.

Fico pensando sobre as minhas atitudes nesta área e inspirada, por essa pessoa amiga, penso no que eu posso fazer para mudar e aprimorar os meus pensamentos, sentimentos e ações em relação a isso.

A minha atitude de selecionar os futuros amigos pode parecer várias coisas. Talvez eu julgue muito as pessoas, seja crítica e muito seletiva. Pensando bem, as pessoas são diferentes e estão longe de serem perfeitas. Confesso que valorizo pequenos detalhes e fico chateada com pequenas coisas. Talvez não valha à pena ser assim. Estou perdendo a oportunidade de conhecer mais pessoas. Conhecer novas formas de pensar e questionar os meus próprios pensamentos.

Preciso frequentar alguns eventos sociais e aproveitar as oportunidades. É bom abrir espaço para conhecer novas pessoas, dá chances para encontrar afinidades e estabelecer relações de troca espontânea.

Percebi que é importante não julgar as pessoas, aproveitar o que elas têm de bom. Diminuir as expectativas, também ajuda. E, estar disposta a investir tempo e energia em relações humanas.

Eu preciso me respeitar e ir com calma, no meu tempo. Vivendo o que a vida me apresenta. 


E para você, como é? Como você lida com a questão amizade na sua vida atual?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Alimente seus propósitos pessoais com pequenas mudanças em sua vida

Como falei um pouco no post  vamos-desenferrujar-e-colocar-vida.minimalista em movimento  venho sentindo que é momento de reavivar o minima...