sábado, 22 de outubro de 2016

Experimente desapegar do julgamento e da competição social

É muito bom viver uma vida simples. Traz muitos ganhos e vários deles são tão íntimos que não podem ser medidos ou sequer notados.

Satisfação, leveza e felicidade. Sensação de realização e desprendimento. Auto-conhecimento e foco. Centramento e serenidade.





O Minimalismo despertou meu olhar para vários comportamentos automáticos que eu tinha e como é possível mudar.

Primeiro a preocupação com a aparência, o status social e o julgamento das pessoas. E segundo, o hábito de competir socialmente.

São atitudes que a sociedade incentiva e nós repetimos sem questionar. Sem nos darmos conta de que esses comportamentos interferem na forma como consumimos e como lidamos com a nossa vida financeira.

A partir dessas percepções e buscando fazer escolhas conscientes, eu te convido a fazer um experimento.

Vamos lá!

Deixe de se importar com o status social e com o julgamento das pessoas a respeito da sua aparência e poder aquisitivo. A marca do seu carro, o bairro onde você mora, as roupas que você usa diz qual o seu valor enquanto pessoa? O que você acha?

Falo da minha realidade de Mulher. Nós somos avaliadas constantemente pela nossa aparência. Há muita cobrança para que estejamos bem arrumadas e dentro de um padrão, que alguém criou. Por isso é tão importante despertar a mente para esse aspecto social, buscar se conhecer cada dia mais e se questionar para saber o que de fato nos faz feliz, e assim, diferenciar o que a sua escolha é o que é cobrança externa.

Te convido, também, a deixar de lado as competições e "mi mi mi" do ambiente de trabalho, das reuniões familiares ou dos encontros de amigas ou amigos. Sei que é muito bom fazer parte do grupo, mas não é necessário participar do jogo de competição. Observe, pense e avalie se concorda ou não com os valores do grupo. Se perceber a competição, apenas saia do jogo. Se puder interferir positivamente, faça! Todos ganham!

Pense comigo. Por acaso, os objetos que você possui falam algo a respeito da sua honestidade, generosidade e gosto pelo trabalho? A sua aparência fala sobre o amor que você sente pelos seus pais e seus filhos ou sobre a sua vontade de construir um relacionamento sólido com seu parceiro? E o respeito com que você trata as pessoas e sua disposição para ajudar?

É óbvio que os objetos que você possui e a sua aparência física não dizem quem você é de verdade! De longe, tomando por base apenas o exterior, não é possível conhecer uma pessoa. É preciso se aproximar para descobrir que ali mora um ser humano de valor! Concorda comigo?

Mais que isso, enxergar o ser humano com um olhar humanista, com base em valores éticos e pessoais, é mais importante que esses valores do mundo materialista.





A que conclusões você chegou?

Com essa experiência, eu percebi o quanto é bom reconhecer e desapegar do julgamento das pessoas, da competição social e da necessidade de provar algo para alguém.

Liberta! Empodera! Traz um alívio enorme! Posso ser quem sou, com meus gostos e desejos! E assim, usar a minha energia para focar na minha própria vida e realizar os meus sonhos!


5 comentários:

  1. Oi,td bom?
    Estou aqui lendo as suas postagens e gostando muito.
    Vou te acompanhar por aqui.
    Beijos =)

    ResponderExcluir
  2. Excelente reflexão! Identifico-me bastante com as tuas palavras!
    Menos é sem dúvida mais!!
    Beijinho e bom fim de semana*

    ResponderExcluir
  3. Incrível! Estava precisando ler isso.
    Gratidão!

    ResponderExcluir
  4. Incrível. Pensamos muito muito parecido. Me identifiquei muito com seus textos.

    ResponderExcluir
  5. Ótima reflexão.Você está com toda razão.
    Se fizermos isso seremos bem mais leves e felizes.

    ResponderExcluir

Você tem fome de quê?

Tempos atrás eu fiz uma reflexão bem interesse sobre a possível causa do consumo por impulso e sem motivo. Da reflexão nasceu o texto   O ac...