quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Você é capaz de lidar com dificuldades

Passei por muitas coisas na vida, e ainda assim, há muito que eu não conheço. Esse desconhecimento me leva adiante, na ânsia de viver mais e conhecer mais. Creio que as experiências, mesmo que dolorosas, em si. são oportunidades de viver coisas novas.






Dentre tantos questionamentos sobre a vida, sempre passava pela minha cabeça perguntas sobre o envelhecimento, o adoecimento e a morte. Acompanhei o envelhecimento da minha avó, e agora, acompanho o processo da minha mãe. Por ser filha única, eu tinha consciência de que um dia, eu cuidaria dela. Eu não sabia, quando e como esse dia ia chegar. O dia chegou. 

Sabe quando nasce o seu filho, e em momentos de insegurança, você se pergunta se saberá cuidar do seu bebê? Então, a sensação que eu tive foi essa. Eu me perguntei. E agora, como vai ser isso? Será que eu vou conseguir? E aí, a medida que você olha para o seu filho e deixa se levar pelo amor, as dúvidas perdem força e a segurança de mãe que sabe o que faz, vem!

Na convivência diária com ela, percebi a fragilidade humana. Diante disso, refleti sobre muitas coisas. 

Eu não gosto de hospital. E por força das circunstâncias, eu passei alguns dias por lá e foi preciso aprender a lidar com vários medos e constrangimentos. Senti vários medos. Medo do diagnóstico da doença e de não saber quanto tempo ela ia ficar internada. Medo do tratamento, de agulhas, de cirurgia, de UTI, de transfusão de sangue e de complicações. Medo de complicações em casa. Medo de que tudo isso interferisse na minha vida. Medo de tantas responsabilidades.Vergonha de entrar na intimidade da minha mãe, levar ao banheiro, dar banho, vestir, trocar fraldas.

Em casa, ela foi se recuperando e se fortalecendo pouco a pouco. A fragilidade foi dando lugar aos questionamentos dela, aos momentos de raiva pela não aceitação da doença e da dependência das pessoas, aos momentos de paz e tranquilidade. Se acometido por uma doença grave não é uma sentença de morte. Portanto, calma. Sim, o futuro é incerto. Por outro lado, há recursos que podem ajudar.

Essa semana, ela começou a fazer o tratamento mensal em uma clínica. Curiosa, eu observo em volta, vejo pessoas jovens, de meia idade e idosas. Homens e mulheres buscando saúde, lutando por suas vidas. Vejo que todos nós estamos suscetíveis a adoecer e precisar lidar com esse tipo de situação. É preciso olhar para o doente e o tratamento com carinho, coragem e sem preconceito. É um tratamento agressivo? Sim é. A pessoa vai se transformando, o corpo vai mudando ao longo dos meses. Sim vai. Junto com o tratamento vem a esperança de cura, de melhora e de uma boa qualidade de vida.

Pois bem. Eu experimentei muitos medos e constrangimentos, a medida que eu comecei a lidar com todos eles na prática, eu vi que não é tão difícil assim, sabe? Percebi que eu sou capaz e que a vida é muito boa!

2 comentários:

  1. Olá Andreia!

    Não há nada que não nos aconteça na vida, para o qual não estejamos preparados!
    Eu acredito piamente nisto!
    Muita força para superar esses teus medos e esta fase da tua vida.
    As melhoras para a tua mãe!
    Beijinho enorme*

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, Andreia.
    Passando aqui para desejar melhoras par sua mãe muita força para vocês. Também sou filha única e ainda tenho os mesmos medos que você está vencendo.
    Um beijo!

    ResponderExcluir

Fazendo bom uso da tecnologia disponível, fugindo do sonho virtual

A tecnologia é algo que parece fazer parte da vida da maioria das pessoas. É comum o uso de computadores, tablets e smartphones nas ativid...