Nada de Metas para 2017

Nos últimos anos, eu costumava escrever sobre minhas metas para o ano seguinte. Uma forma de manter o desenvolvimento pessoal, de tirar o melhor proveito da vida, de registrar as intenções aqui no blogue para compartilhar com os leitores, inspirar e, mais à frente, acompanhar a realização.



No final de 2016, eu não defini e nem escrevi metas para o ano novo. Sabe porque? A minha realidade não me permitia fazer planejamentos para o trimestre ou o semestre seguinte. Eu confesso que pensei a respeito e cheguei à conclusão que planejar, da mesma forma de antes, num momento de vida em que havia muita incerteza, não ia funcionar.

Compreendi que talvez se eu me organizasse para um espaço de tempo mais curto, poderia dar certo. Então, eu passei a funcionar por semana, às vezes, cheguei a planejar, tão somente, o dia. Porque era o necessário e o possível para a ocasião.

Esse tempo me testou. Foi um desafio descobrir uma nova forma de me organizar. Muitas vezes, eu me sentia como se não tivesse o controle da minha própria vida. E, sinceramente, nós não temos o controle mesmo. Apenas, teimamos e nos iludimos pensando que podemos controlar alguma coisa.

Creio que possamos escolher o que fazer com o que a vida nos apresenta. Sendo assim, por enquanto, não faz sentido para mim elaborar planejamentos anuais e metas. Prefiro deixar espaço para o inusitado.

Comentários

  1. Concordo totalmente.
    Algumas coisas eu gosto e até acho necessário planejar...
    Mas tem certas coisas que ser surpreendida é tão melhor né?

    ResponderExcluir

Postar um comentário